PESQUISAR

Blog de Notícias

4 minutos para leitura (793 palavras)

CONHEÇA UM POUCO MAIS SOBRE O ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA

O Atendimento Pré-Hospitalar (APH) é um serviço assistencial de emergência e urgência disponibilizado 24 horas por dia, 7 dias por semana, pelo Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), que consiste no atendimento fora do ambiente hospitalar e, em geral, em regime de urgência.  

O principal objetivo do serviço é reduzir o número de mortes e/ou sequelas decorrentes da falta de intervenção imediata no local do acidente, promovendo o suporte básico da vida e o transporte adequado, rápido e monitorizado, das vítimas à unidade hospitalar própria para a complexidade do atendimento exigido.

O APH é uma das principais áreas de atuação do CBMSC e, juntamente com combate a incêndio e resgate veicular, apresenta o maior número de atendimento de ocorrências. 

As ocorrências envolvendo o APH são classificadas como emergência de trauma ou emergência clínica. O trauma é caracterizado por um amplo rol de lesões causadas por uma força externa devido a acidentes, violência ou autoagressão. Já as emergências clínicas, são estados de saúde que não foram causados por nenhum fator externo e são, normalmente, consequências de doenças preexistentes, cuja causa não inclui violência sobre a vítima.

Para realizar o atendimento das ocorrências, tanto de trauma quanto clínicas, as equipes de plantão são compostas por 03 socorristas, denominados: socorrista 1 (S1) – o mais experiente da equipe de plantão; socorrista 2 (S2) – auxiliar do S1; e socorrista 3 (S3) – condutor da viatura.



Ao assumir o serviço diário, a equipe tem por obrigação realizar a conferência da viatura, sendo que fica ao encargo do S1 e do S2 a conferência dos materiais e dos equipamentos, e ao encargo do S3 a conferência da parte mecânica/elétrica da viatura.  



Após a conferência dos materiais e das viaturas os socorristas estão aptos para realizar as rotinas de serviço e para atender aos mais diversos tipos de ocorrências, dentre as quais se destacam: acidentes de trânsito, acidentes domésticos, acidentes de trabalho, agressões, choques elétricos, ferimentos por arma branca, ferimentos por arma de fogo, picadas de animais peçonhentos e de insetos, quedas com risco de vida, queimaduras, engasgamentos, casos clínicos (convulsões, síncopes, paradas cardiorrespiratórias), tentativas de suicídios, assistência ao parto, entre outras.

Quando acontece o acionamento pela central de emergência (COBOM), a equipe de plantão deve estar pronta para o atendimento da emergência e, após a chegada no local determinado, realizar a rotina de atendimento de emergências: verificar o dimensionamento da cena, a abordagem do paciente, a avaliação primária da vítima, identificar a prioridade para o transporte – que varia de acordo com o tipo de emergência atendida, realizar a avaliação secundária da vítima e, por fim, o transporte e a transferência para o hospital.

Diversos materiais e equipamentos são fundamentais para o adequado atendimento das vítimas e, por esse motivo, a Portaria nº 2.048, do Ministério da Saúde, regulou os materiais e os equipamentos mínimos para o atendimento das ocorrências nas viaturas do CBMSC. Dessa forma, apresentamos os itens básicos constantes em nossas viaturas para o atendimento envolvendo APH: maca retrátil ou articulada, maca/prancha rígida, cadeira retrátil, bolsa de atendimento pré-hospitalar, colar cervical, desfibrilador externo automático (DEA), talas de imobilização, oxigênio e rádio comunicador.



Além do atendimento propriamente dito, após a finalização de cada ocorrência a equipe deve repor os materiais e fazer a desinfecção da viatura para deixá-la na condição de prontidão novamente. Ademais, os socorristas realizam, uma vez por semana, a desinfecção terminal (limpeza mais profunda).

Uma atividade tão importante quanto o atendimento das ocorrências, que poucas pessoas se atentam e não sabem que é realizada pelos socorristas, é o preenchimento da ficha de APH e o posterior fechamento da ocorrência no sistema E-193. A ficha contém informações importantes sobre a vítima, o tipo da ocorrência, data, local, número da viatura que realizou o atendimento, principais lesões atendidas, procedimentos efetuados, destino da vítima, hospital e médico responsável pelo recebimento.

O conjunto de pessoas e de materiais/equipamentos faz com que o atendimento realizado seja de qualidade. Contundo, o sucesso do APH se encontra no trabalho em equipe, base da nossa corporação.

Quer aprender um pouco mais sobre APH? O CBMSC disponibiliza o Curso Básico para Atendimento a Emergências (CBAE) de forma gratuita e online para os cidadãos. 

Acesse o link para mais informações.


Créditos:
Texto: soldado Natália Alves Fernandes
Imagens: Divulgação CBMSC
Assessoria de Imprensa CBMSC: (48) 98843-4427
Centro de Comunicação Social
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina

Posts Relacionados

emergencia193
QUARTEL DO COMANDO-GERAL
Rua Almirante Lamego, 381, Centro, Florianópolis - SC | CEP: 88015-600

Desenvolvimento: DiTI-DLF | Gestão de Conteúdo: CCS | Tecnologia Open-Source
emergencia193